Henrí Galvão

13 de dezembro de 2019

Uma vez ouvi dizer que seria possível ter qualquer coisa, mas que não seria possível ter tudo.

Pelo menos não ao mesmo tempo.

Verdade ou não, acho que é essa a energia por trás da última canção que compartilho neste ano:

Torço pra que você entenda
Que eu não sou mais que um homem
Se eu sair dessa
Juro que volto pra te dar
Toda a atenção que você merece
Até lá, o meu lugar é aqui
Fazendo o melhor que posso
Pra me submeter
Àquela paz tão radical
Que vem de sentir
Uma espécie de gratidão
Por dias assim
Não serem mais tão comuns
E, se eu falo em dias,
É só pra facilitar
Esse momento, no fundo,
É tudo o que há
Só preciso me lembrar
Que nada é meu
Nada é meu
Nada é meu