Henrí Galvão

9 de julho de 2019

Sou um grande fã das possibilidades de se fazer muito com pouco.

Mas, como se sabe, toda virtude levada ao extremo acaba virando um pecado.

Além do mais, um pecado também pode virar uma virtude, não é?

Letra:

Até o seu suor te serve de manjar
Você sabe como aproveitar
Quase todo o espaço no bidê
E diz que é só questão de querer

Mas um único descuido pode ser fatal
Quando o seu cálice não é nenhum Santo Graal
E isso explica por que não veio ninguém
Pra se embebedar também

O quanto mais você vai aguentar?
Até quando vai ficar na conta do chá?
Será que não tem nada
Diferente de água ou café
Pra te manter de pé
E te deixar de prontidão
Pra um ataque que pode vir
De qualquer direção?

A cartilha manda não se misturar
É melhor prevenir que remediar
E não tem outra maneira de ter fé
Senão atrás de um ismo qualquer

Eu sei que os mandamentos são só dez
Mas, pelas barbas de Abraão e Moisés,
Nunca te deu vontade
De ir um pouco além do umbral
Que separa o bem do mal?
Pra curiosidade tem perdão
Pra covardia é que não

É bom não perder tempo
Enquanto ainda é capaz
De ser um pouco menos
E fazer um pouco mais