Henrí Galvão

5 de junho de 2019

A gente se acostuma tanto a falar de amor pra expressar coisas tão diferentes, que na maior parte do tempo é difícil saber do que se está falando de fato.

Não acho que o meu trabalho seja o de dar nome aos bois. Mas acho que isso às vezes é quase inevitável:

Letra:

Quem te vendeu essa
De que o Taj Mahal
É o exemplo perfeito
O suprassumo, o ideal
Da mais pura devoção?

Me mostra um só rei
Ou faraó, ou sultão
Que soube aliviar
A dor do seu coração
Sem precisar contar
Com qualquer outro pranto
Além do seu

Não recrimino nenhum ato de amor
Mas vamos encarar os fatos, por favor
O sofrimento ocupa espaços
Que a boniteza nunca alcançou

Posso crer em tudo que só os meus olhos veem
Mas não posso forçar nem você, nem mais ninguém
A sonhar o mesmo sonho que eu
Que dirá lutar por ele também

Dizem que querer
Já é metade de poder
Mas quem vive repetindo
Esse tipo de clichê
Sempre tem tudo na mão

Daí onde está
Você só vai enxergar
Uma parte ínfima
Do meu chutzpah
E não dá pra achar
Essa liturgia
Em nenhum manual

Faço o que faço, em parte, pra te convencer
Que o que eu faço é menos que o que eu deixo de fazer
Não piorar as coisas é o mais perto de um conselho
Que eu tenho pra te dar

De que adianta carregar essa cruz
Se você não aguenta ver nem o seu próprio pus?
Você fala bonito, mas é só a pose do mártir
Que te seduz

Entre o seu sol e o meu
Vai uma distância de mil anos-luz