Henrí Galvão

2 de novembro de 2018

Dizem que foi Grace Hopper – uma analista de sistemas da Marinha dos Estados Unidos – quem disse que, na dúvida, é melhor fazer e depois pedir desculpas, em invés de esperar por uma permissão.

Até porque, convenhamos, essa permissão quase nunca chega.

Letra:

Não é que eu tivesse a intenção
De chegar aqui sem mais ninguém
Só o que fiz foi me guardar
Da pressa do coração
De se ferir por qualquer um

Toda a minha vida eu fui
Como uma gota que não se dilui
Quem me daria permissão
Pra incitar uma explosão
Entre as auroras do norte e do sul
Que fosse repleta do azul mais cabal?
Anúncios