“Tem no mercado, é só pedir…”

Há alguns meses compartilhei aqui duas músicas – “Labirinto de Espelhos” e “Antifrágil” –, cada uma inspirada por um livro de Nassim Taleb.

Tem um terceiro livro dele bem conhecido, que é o Iludido pelo Acaso.

Confesso que esse eu (ainda) não li, mas sei que ele levanta uma questão bem interessante, que é a seguinte:

Até onde dá pra dizer que alguém que consegue “prever” o futuro faz isso por mérito próprio ou pelo simples fato de que, com tanta gente nessa brincadeira, alguém em algum momento vai acabar acertando?

Letra:

De cara, só posso dizer que não entendo
Como você ainda tenta ganhar no grito
O direito de apontar um caminho
Se vive sempre procurando um atalho
E não se faz de rogado
Em desprezar qualquer esforço de guerra
Não vem me dizer que agora vai ser diferente
Não tem bússola nem amuleto
Que supere o simples acaso
E quando a fruta parece madura
É porque só restou o bagaço
Anúncios